Buscar
  • Henrique Girardi

Atravessando a Crise

Atualizado: há 6 dias

A pandemia da Covid-19 trouxe um cenário extremo, de grande dificuldade, para muitas organizações em todo o mundo. Uma turbulência que atingiu a todos. A crise levou empresas e economias a níveis baixíssimos de produção e atividade. Alguns setores simplesmente pararam. Muitas tiveram que reduzir, paralisar e encerrar operações por tempo indeterminado, e, muitas, sem perspectivas, encerraram de vez.


Muitos empreendedores, líderes, gestores, se viram, nesse período, no dilema diário de parar ou não suas operações. Como no jogo, é importante saber a hora de parar, diminuir as perdas e riscos. Muitos profissionais acabaram trabalhando ainda mais, em uma carga horária maior, com a preocupação de buscar uma solução. Esse momento, de trabalho a distância, criou um cenário muito desafiador aos gestores e estruturas de gestão.


Veja, por exemplo, que na década de 90 discutimos os impactos do início da internet, e suas respectivas ferramentas que foram surgindo e sendo disseminadas. Falou-se muito sobre o impacto dos e-mails na gestão e dia a dia dos gestores. Hoje estamos em outro marco. A pandemia trouxe e exigiu a digitalização total dos negócios e um novo entendimento de gestão de pessoas. Peter Drucker, o pai da administração, dizia que a eficácia da sociedade moderna, e sua capacidade de fazer as coisas aconteceram da maneira certa, e até mesmo sobreviver, dependem, progressivamente, da eficácia dos gestores das organizações. Com o desenvolvimento e disseminação da vacina, os países, as economias, as organizações e as famílias, estão retomando suas atividades, mas as incertezas ainda são grandes, principalmente agora com as notícias da variante Ômicron. Nos últimos anos viemos falando nas Universidades e nas organizações sobre o mundo Volátil, Incerto, Complexo e Ambíguo. Muitos especialistas agora, em meio a pandemia, falam do mundo BANI (Frágil, Ansioso, Não linear e Incompreensível). Qual dos dois você será enquanto gestor do seu grupo?

É um novo marco. As tecnologias avançaram. Vivemos como nunca a revolução tecnológica. A memória não é mais apenas aquela que está guardada na cabeça dos gestores e nos bancos de dados. As empresas estão passando por um processo de mudança, e precisarão contar com líderes eficazes, corajosos, que possam liderar as equipes e construir um novo ambiente de gestão. Neste novo ambiente as organizações precisarão de ajustes e adaptações em suas práticas de gestão e governança corporativa. O controle de gestão passará por adaptações neste ambiente cada vez mais digital.


Texto escrito por Henrique Girardi e disponibilizado na página do Jornal do Comércio, podendo ser acessada clicando logo abaixo.